• Brasão

    Brasão

    Brasão da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

  • Fachada da Câmara

    Fachada Câmara

    Vista da Fachada da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

  • Galeria das Legislaturas

    Galeria Legislaturas

    Foto da Galeria das Legislatura da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

  • Sala Poder Legislativo

    Sala Poder Legislativo

    Sala do Poder Legislativo da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

  • Auditório Plenário

    Auditório Plenário

    Vista do Auditório do Plenário da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

  • Jardim dos Fundos

    Jardim dos Fundos

    Vista do Jardim dos Fundos da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

  • Fachada com rampa de acesso

    Fachada com rampa de acesso

    Fachada com rampa de acesso da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

  • Sala de reuniões

    Sala de reuniões

    Sala de reuniões da Câmara Municipal de Nova Luzitânia

Detalhes da Notícia




Estudo do Ipea mostra que vulnerabilidade social da região caiu

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou recentemente em seu Atlas de Vulnerabilidade Social os números de 2010, que revelam que os municípios da região melhoraram no Índice de Vulnerabilidade Social (IVS), em comparação aos dados de 2000.

Nove dos treze municípios de circulação do Jornal A Voz do Povo estão classificados como “muito baixa vulnerabilidade social” no IVS Geral. Turiúba melhorou seu IVS de 0,19 em 2000, para 0,11 em 2010. Floreal passou de 0,26 para 0,13. Sebastianópolis foi de 0,19 para 0,14. Monte Aprazível viu seu índice ir de 0,26 para 0,17. Magda registrou melhora de 0,3 para 0,18. Poloni subiu de 0,26 para 0,18. Nipoã melhorou de 0,3 para 0,18. União Paulista passou de 0,24 para 0,19.

Quando o IVS está muito baixo significa que é baixo o número de pessoas de baixa renda, residindo em moradias inadequadas ou sem acesso a serviços de saúde, educação e assistência.

Os outros quatro municípios ficaram classificados como “baixa vulnerabilidade social”. Monções melhorou de 0,35 em 2000, para 0,26 em 2010. Nhandeara passou de 0,34 para 0,26. Gastão Vidigal foi de 0,38 para 0,26. E Macaubal viu seu índice ir de 0,37 para 0,28.

Os números da região estão muito acima dos números do IVS Geral do país, que também registrou queda de 0,44 em 2000, para 0,32 em 2010. No entanto, o Brasil está classificado como “média vulnerabilidade social”.

O IVS também analisa a Infraestrutura Urbana, Capital Humano e Renda e Trabalho (confira na tabela abaixo).

Sobre o IVS

O Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) é composto por 16 indicadores estruturados em três dimensões: Infraestrutura Urbana, Capital Humano e Renda e Trabalho.

A vulnerabilidade de infraestrutura urbana procura refletir as condições de acesso aos serviços de saneamento básico e de mobilidade urbana, dois aspectos relacionados ao lugar de domicílio das pessoas e que impactam significativamente seu bem-estar. Foram escolhidos para compor este subíndice indicadores sobre a presença de redes de abastecimento de água, de serviços de esgotamento sanitário e coleta de lixo no território, bem como o indicador do tempo gasto no deslocamento entre a moradia e o local de trabalho pela população ocupada de baixa renda – este último tomado como uma proxy das condições da mobilidade urbana.

O subíndice referente ao capital humano envolve dois aspectos (ou ativos e estruturas) que determinam as perspectivas (atuais e futuras) de inclusão social dos indivíduos: saúde e educação. Adotou-se, para isso, indicadores de mortalidade infantil; da presença, nos domicílios, de crianças e jovens que não frequentam a escola; da presença, nos domicílios, de mães precoces, e de mães chefes de família, com baixa escolaridade e filhos menores; da ocorrência de baixa escolaridade entre os adultos do domicílio; e da presença de jovens que não trabalham e não estudam.

Já vulnerabilidade de renda e trabalho agrupa não só indicadores relativos à insuficiência de renda presente (percentual de domicílios com renda domiciliar per capita igual ou inferior a meio salário mínimo de 2010), mas incorpora outros fatores que, associados ao fluxo de renda, configuram um estado de insegurança de renda: a desocupação de adultos; a ocupação informal de adultos pouco escolarizados; a dependência com relação à renda de pessoas idosas; assim como a presença de trabalho infantil.

Classificação

O IVS é um índice que varia entre 0 e 1. Quanto mais próximo a 1, maior é a vulnerabilidade social de um território. Quanto mais próximo de 0, menor a vulnerabilidade social de um território. 0 e 0,200, considera-se que possuem muito baixa vulnerabilidade social
0,201 e 0,300 indicam baixa vulnerabilidade social
0,301 e 0,400 são de média vulnerabilidade social
0,401 e 0,500, são considerados de alta vulnerabilidade social
0,501 e 1 indica que o município possui muito alta vulnerabilidade social

Ranking da Vulnerabilidade Social na região


Lugar IVS Geral IVS Infraestrutura Urbana IVS Capital Humano IVS Renda e Trabalho
2000 2010 2000 2010 2000 2010 2000 2010
Turiúba (SP) 0,19 0,11 0 0 0,25 0,16 0,32 0,17
Floreal (SP) 0,26 0,13 0,01 0 0,3 0,24 0,48 0,16
Sebastianópolis do Sul (SP) 0,19 0,14 0,01 0 0,24 0,19 0,33 0,23
Monte Aprazível (SP) 0,26 0,17 0,11 0,11 0,29 0,24 0,39 0,16
Magda (SP) 0,3 0,18 0,06 0,05 0,36 0,25 0,47 0,22
Poloni (SP) 0,26 0,18 0,09 0,09 0,33 0,23 0,35 0,22
Nipoã (SP) 0,3 0,18 0,01 0 0,5 0,25 0,39 0,3
União Paulista (SP) 0,24 0,19 0,01 0 0,38 0,38 0,33 0,19
Nova Luzitânia (SP) 0,27 0,19 0,1 0,1 0,42 0,27 0,3 0,21
Monções (SP) 0,35 0,26 0,34 0,33 0,33 0,18 0,36 0,26
Nhandeara (SP) 0,34 0,26 0,34 0,34 0,29 0,21 0,39 0,22
Gastão Vidigal (SP) 0,38 0,26 0,26 0,25 0,41 0,3 0,47 0,24
Macaubal (SP) 0,37 0,28 0,36 0,36 0,34 0,24 0,39 0,25
Brasil 0,44 0,32 0,35 0,29 0,5 0,36 0,48 0,32

Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).